Translate

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

O FILHO DO HOMEM

O Filho do Homem

 


Aparec
eu um homem, entre esses milhões de habitantes terrestres...
E esse
homem veio tornar-se o centro da história da humanidade.
Não fez descobertas nem invenções, não derrotou exércitos nem escrev
eu livros - esse homem singular.
Não fez
nada daquilo que a outros homens garante a imortalidade entre os mortais - o que nele havia de maior era ele mesmo...
Pelo ano do s
eu nascimento datam todos os povos cultos a sua cronologia.
Possuía esse
homem exímios dotes de inteligência - e infinita delicadeza de coração.
A sua vida se resume numa epopéia de
divino poder - e num poema de humano amor.
Havia na vida desse
homem uma pátria e uma família - mas também um exílio e uma solidão.
Havia
apóstolos - e apóstotas...
Brincava nos caminhos desse
homem a mais bela das primaveras - e espreitava-lhe os passos a mais negra das mortes.
Esse
homem vivia num mundo - mas não era do mundo...
Quando ch
egou, "não havia lugar para ele na estalagem" - e quando partiu, só havia lugar numa cruz, entre o céu e a terra.
Esse
homem não mendigava amor - mas todas as almas boas o amavam...
Era amigo do silêncio e da solidão - mas não conse
guia fugir ao tumulto da sociedade, porque "todos o procuravam"...
Irresistível era o fascínio de sua
personalidade - inaudita a potência das suas palavras...
Todos sentiam o envolvente ministério da sua presença - mas ninguém sabia definir esse estranho
magnetismo...
Era uma luminosa escuridão - esse
homem...
Não bajulava a nenhum poderoso - e não espezinhava nenhum miserável...
Diáfano como um cristal era o s
eu caráter - e, no entanto, é ele o maior mistério de todos os séculos...
Poeta algum val
eu exaurir-lhe as profundezas...
Esse
homem não repudiava Madalenas nem apedrejava adúlteras - mas lançava às penitentes palavras de perdão e de vida...
Não abandonava ovelhas desgarradas nem filhos
pródigos - mas cingia nos braços a estes e levava aos ombros aquelas...
Esse
homem não discutia - falava simplesmente...
Não esmiuçava palavras nem contava sílabas e letras, como os rabis do s
eu tempo - mas rasgava imensas perspectivas de verdade e beatitude...
Por isso diziam os homens, felizes e estupe
fatos: "Nunca ninguém falou como esse homem fala!"...
Para ele, não era o esquife o ponto final da
existência - mas o berço para a vida verdadeira...
Por isto, vivem por ele e para ele os melhores dentre os filhos dos homens - porque a
doram nesse homem o homem ideal, o homem-Deus...

Nenhum comentário: