Translate

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

EMMANUEL

  
Alegoria representando o médium Chico Xavier, psicografando uma mensagem de Emmanuel.
Emmanuel é o nome dado pelo médium espírita brasileiro Chico Xavier ao espírito a que atribui a autoria de boa parte de suas obras psicografadas. Esse espírito era apontado por Chico Xavier como seu orientador espiritual.
Há também um livro homônimo de Chico Xavier que leva a assinatura de Emmanuel, publicado em 1938.
A obra mediúnica atribuída a Emmanuel é composta por dezenas de livros, muitos deles traduzidos para diversos idiomas. São romances históricos, livros de aconselhamento espiritual, obras de exegese bíblica, etc.

Histórico

Chico Xavier afirma ter visto Emmanuel pela primeira vez em 1931, enquanto psicografava Parnaso de Além-Túmulo, sua primeira obra mediúnica. Ao ser questionado sobre sua identidade, o espírito teria respondido:
"Descansa! Quando te sentires mais forte, pretendo colaborar igualmente na difusão da filosofia espírita. Tenho seguido sempre os teus passos e só hoje me vês, na tua existência de agora, mas os nossos espíritos se encontram unidos pelos laços mais santos da vida e o sentimento afetivo que me impele para o teu coração tem suas raízes na noite profunda dos séculos..."
Segundo declaração de Chico Xavier, Emmanuel fora um senador romano contemporâneo de Jesus, chamado Públio Lentulus Cornélio.
Ainda segundo o médium mineiro, em participação no programa "Pinga Fogo", da extinta TV Tupi, em 1971[1], Emmanuel teria sido, numa antiga encarnação, o padre português Manuel da Nóbrega.
Em entrevista, Chico Xavier disse certa vez: "Emmanuel tem sido para mim um verdadeiro pai na Vida Espiritual, pelo carinho com que me tolera as falhas e pela bondade com que repete as lições que devo aprender"[2].

Livros espíritas sobre Públio Lentulus Cornélio

  • Há 2000 Anos...
  • 50 Anos Depois

Algumas mensagens de Emmanuel

"Se o gládio da morte violenta te busca o lar, faze silêncio e confia-te ao tempo, o médico invisível que nos restaura as energias do coração. Não blasfemes, nem desesperes. Aguarda o Amparo Celestial, mantendo a certeza de que tudo aquilo que hoje ignoras, amanhã saberás."
"Que fazemos no mundo? Tantas vezes pergunta. Fita o céu ocupado, Em dar campos às estrelas. Olha a fonte mais simples, Amparando a quem passa. Não te detenhas. Serve a Terra em construção. Auxilia, abençoa, suporta, ajude e passe. Ama e segue. Não temas, Deus te espera e te vê."
"Mas, Ele mesmo vestiu a túnica da humildade, calçou as sandálias da pobreza total e construiu com os instrumentos do amor perfeito e da dedicação absoluta uma Era inolvidável que o tempo não consome nem a Humanidade esquece... Foi supliciado e permaneceu confiante. Esteve afligido e demorou-se confiante. Ficou abandonado e continuou confiante. Morto e ressurgido como claro Sol depois de noite espessa, voltou confiante à Vida. Por isso Ele é a esperança. "
"Amas, talvez, a muitos Que ainda não te entendem. Continua a serví-los, Mesmo a longa distância. Não te encontras no mundo A fim de consertá-los. Nossa maior tarefa É a corrigenda em nós. Se te ferem ou atacam, Ora por todos eles. Deus cuidará dos outros, Como zela por nós."
A felicidade não entra em portas trancadas.
A felicidade real começa em fazer a felicidade dos outros.
A felicidade real é uma casa que se constrói por dentro da própria alma.
A fonte do bem é inesgotável. Tarefa aceita - responsabilidade confirmada. (Marco Prisco)
A frase construtiva e generosa é princípio de solução nos mais complicados processos de sofrimentos.
A frase de esperança é um jorro de luz. (Emmanuel - Chico Xavier, do livro: COMPANHEIRO)
A herança da liberdade pertence ao dever cumprido.
A herança quase sempre é um suplício para quem parte e uma tentação para quem fica.
A hora que passa é preciosa demais para que lhe percamos a grandeza.
A humildade é a chave de nossa libertação. (Emmanuel - Chico Xavier, do livro: LUZ NO LAR).
A humildade é o ingrediente oculto sem o qual o pão da vida amarga invariavelmente na boca.
A idéia forma a condição; a condição produz o efeito; o efeito cria o destino.
A indulgência é a fonte que lava os venenos da culpa.
A inércia constante é a descida para a exaustão com bilhete para o comboio da enfermidade em direção da morte.
A inércia é simplesmente ilusão e a preguiça é fuga que a Lei pune com as aflições da retaguarda.
A ironia pode ser engraçada e agradável para quem a faz, mas pode magoar tanto que sua graça converte-se em mágoa profunda em quem a recebe.
A juventude pode ser comparada à esperançosa saída de um barco para viagem importante.
A Lei não nos confia problemas de trabalho superiores à nossa capacidade de solução. (Deus não coloca fardos pesados em ombros fracos).
A liberdade é a raiz da vida consciente; no entanto, a cada passo urdimos entraves e impedimentos para nós mesmos.
A maior revelação de teu amor aparece brilhando quando permites que o Cristo em ti e contigo possa amar e servir aos outros sem procurar saber quem são e como são. (Emmanuel, Do livro: "Recados do Além")


Nenhum comentário: